DINÂMICA VEGETACIONAL EM PASTAGEM NATURAL SUBMETIDA AO FOGO E PASTEJO 1

FERNANDO LUIZ F. DE QUADROS 2, VALÉRIO D.P. PILLAR 3, JOSÉ PEDRO P. TRINDADE 4, DUILIO G. BANDINELLI5

1 Parte do trabalho de tese do primeiro autor, financiado pelo CNPq

2 Professor Assistente, Dep. De Zootecnia UFSM, CEP 97105-900, e-mail: fquadros@ccr.ufsm.br

3 Professor Titular, Bolsista do CNPq, Dep. Ecologia, UFRGS, CEP 91540-000, e-mail: vpillar@ecologia.ufrgs.br

4 Eng.Agrônomo, MSc., aluno do C.P.G. Zootecnia UFRGS

5 Aluno do Curso de Agronomia, UFSM, Bolsista de Iniciação Científica do CNPq

RESUMO: Foi analisada a composição florística de uma pastagem natural, submetida a quatro tratamentos : queima e pastejo; queima e exclusão do pastejo; sem queima e pastejo; sem queima e excluída. A análise de ordenação revelou trajetórias dos tratamentos queimados com sentidos divergentes dos sem queima, especialmente na encosta. A queima seguida de pastejo levou a um aumento da contribuição de Paspalum notatum, em detrimento de Andropogon lateralis. Em área de baixada, os tratamentos pastejados, independentemente da queima, tiveram uma dinâmica semelhante ao acima descrito. As parcelas excluídas do pastejo apresentaram trajetórias quase circulares, retornando a uma composição próxima da inicial.

PALAVRAS-CHAVE: ecologia de vegetação, composição florística, trajetórias, ordenação, análise de coordenadas principais.

VEGETACIONAL DYNAMICS IN A NATURAL PASTURE UNDER FIRE AND GRAZING

ABSTRACT: It was analyze of the species composition of a natural pasture submitted to four treatments: burned and grazed, burned and not grazed, unburned and grazed, unburned and not grazed. Ordination analysis revealed trajectories with divergent directions of the burned and unburned treatments, specially in the convex slope. Burning and grazing leaded to a higher contribution of Paspalum notatum and a reduction of Andropogon lateralis. In the concave slopeared, grazing treatments, burned or not, had a similar dynamics. The treatments not grazed had nearly circular trajectories, returning to a composition similar to the initial.

KEYWORDS: vegetation ecology, species composition, trajectories, ordination, principal coordinates analysis.

INTRODUÇÃO:

A queima de pastagens naturais é uma prática de manejo usual no Sul do Brasil, tendo sido objeto de vários trabalhos de pesquisa (FONTANANELI & JACQUES, 1988; EGGERS & PORTO, 1994; DAMÉ et al., 1997, entre outros). Entretanto sua interação com o pastejo e os efeitos na estrutura da vegetação, ainda não estão suficientemente esclarecidos. Este experimento visou iniciar um trabalho de longa duração, para analisar a dinâmica da vegetação campestre submetida a dois fatores de distúrbio que fazem parte da história evolutiva das espécies componentes da pastagem. Consideramos a hipótese de que a evolução das espécies sob este regime de distúrbios leva ao desenvolvimento de estratégias de resiliência que mantém a vegetação num estado de equilíbrio dinâmico. Este é entendido como uma "nuvem" de pontos num hiperespaço, ao longo da qual o sistema poderia flutuar (KAY, 1991). O melhor entendimento desta dinâmica em resposta a fatores ambientais e de manejo, poderá servir de base para o desenvolvimento de sistemas de produção viáveis economicamente e que preservem os ecossistemas naturais.

MATERIAL E MÉTODOS :

O experimento está sendo realizado em uma pastagem natural, localizada no Campus da UFSM, Depressão Central, RS. O clima é subtropical úmido (sub tipo Cfa) e a área experimental abrangia duas posições de relevo. O solo área de encosta foi classificado como Podzólico bruno acinzentado distrófico e na área de baixada como Planossolo eutrófico. Em um potreiro de 40 ha foram selecionadas transecções localizadas nas duas posições de relevo que foram submetidas a quatro tratamentos : queima e pastejo; queima e exclusão do pastejo; sem queima e pastejo; sem queima e excluída do pastejo. Em cada transecção 30 quadros de 0,25 m2 foram descritos em sua composição florística, através das quantidades de matéria seca disponível, estimada por dupla amostragem, seguindo os procedimentos de campo do método BOTANAL (TOTHILL et al., 1992). Os inventários foram realizados em agosto e novembro de 1995, janeiro e fevereiro de 1996, dezembro de 1996 e dezembro de 1997. A análise foi baseada em média de composição florística por transecção. A análise de ordenação por coordenadas principais, utilizando a distância de corda como medida de semelhança, foi realizada através do programa SYNCSA (PILLAR & ORLÓCI, 1993). De um total de 80 espécies identificadas, foram selecionadas 30 para as análises a seguir, por apresentarem correlações acima de 0,5 com os eixos do plano de ordenação.

RESULTADOS E DISCUSSÃO:

As trajetórias temporais das parcelas são apresentadas para as duas posições de relevo, na FIGURA 1. As parcelas de encosta queimadas apresentam trajetórias paralelas, que iniciam com uma dominância de Andropogon lateralis e ao longo do tempo aumentam a participação de Paspalum notatum e Vernonia nudiflora, particularmente no tratamento pastejado. A trajetória das parcelas queimadas e pastejadas é direcional. Essa trajetória apresenta uma redução gradativa de seus segmentos até a coincidência na posição no plano de ordenação, em dezembro de 1996 e 1997. Esta direcionalidade pode ser atribuida a uma maior intensidade de pastejo no primeiro ano de rebrote após a queima. As parcelas não queimadas da encosta, independente do pastejo, convergem para um ponto comum, próximo da composição inicial, apresentando uma trajetória quase circular. Apesar da composição inicial bem diversa das parcelas pastejadas da baixada, ambas apresentam uma redução na participação de espécies cespitosas como Erianthus trinii e Andropogon lateralis. Nessas parcelas, há um aumento da contribuição de Paspalum notatum e Vernonia nudiflora, espécies rizomatosas. Em dezembro de 1997, convergem para uma composição semelhante, independentemente de terem ou não sido queimadas. As transecções excluídas da baixada apresentam trajetórias quase circulares, retornando, em dezembro de 1997, até uma composição florística próxima da inicial. Pode-se supor que, independentemente da posição de relevo, a comunidade vegetal da pastagem natural desenvolveu mecanismos de resiliência, que lhe permitem absorver o impacto destes distúrbios. Entretanto, o período avaliado não é considerado suficientemente longo para permitir uma maior segurança nas conclusões.

CONCLUSÕES:

A queima e sua interação com o pastejo foram determinantes da dinâmica vegetacional, na área de encosta.

O pastejo foi o fator de distúrbio com maior capacidade de afetar a dinâmica vegetacional da pastagem natural, na baixada.

É necessário desenvolver um modelo preditivo que amplie a escala temporal sobre a qual se pode realizar inferências acerca da dinâmica da vegetação campestre.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. EGGERS, L.; PORTO, M.L. Ação do fogo em uma comunidade campestre secundária, analisada em bases fitossociológicas. Porto Alegre: UFRGS, 1994. 88p. (Boletim do Instituto de Biociências, n. 53).

2. DAMÉ, P.R.; QUADROS, F.L.F. de; KERSTING, C.E.B. et al. Efeitos da queima seguida de pastejo ou diferimento sobre a produção, qualidade, cobertura do solo e sistema radicular de uma pastagem natural. Ciência Rural,v.27(1) : 133-137, 1997.

3. FONTANELI, R.S.; JACQUES, A.V.A. Melhoramento de pastagem natural: ceifa, queima, diferimento e adubação. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 17, n.2, p.180-194, 1988.

4. KAY, J.J. A nonequilibrium thermodynamic framework for discussing ecosystem integrity. Environmental Management, v.15(4): 483-495, 1991.

5. PILLAR, V. De P. & L.ORLÓCI. Character-based community analysis: the theory and an application program.: SPB Academic Publishing.-(Ecological computations series; vol.5), The Hague. 1993. 271 p.

6. TOTHILL, J.C. HARGREAVES, JN.G., JONES, R.M., McDONALD, C.K. BOTANAL: A comprehensive sampling and computing procedure for estimating pasture yield and composition. I. Field sampling. Tropical Agronomy Technical Memorandum, Queensland, n. 78, 1992, 24 p..

 

FIGURA 1. Trajetórias nos diagramas de ordenação (a até d), em que os números de 1 a 4, representam os inventários de agosto de 1995 a dezembro de 1997 e as letras identificam os tratamentos:

a = queima e exclusão na encosta; c = queima e exclusão na baixada; b = sem queima e exclusão na encosta; d = sem queima e exclusão na baixada; e = queima e pastejo na encosta; g = queima e pastejo na baixada; f = sem queima e pastejo na encosta; h = sem queima e pastejo na baixada. As espécies identificadas segundo as primeiras letras dos epítetos genérico e específico : Andropogon lateralis, Erianthus trinii, Fimbrystilis diphylla, Paspalum plicatulum, P. notatum, Orthopapus angustifolius e Vernonia nudiflora, apresentam correlação acima de 0,5 com os eixos de ordenação. O eixo horizontal representa 51,7 % e o vertical 22,2 % da variação total na composição florística.